Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
AIQ-2011
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Minicursos
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 



Matéria Anterior   Próxima Matéria

Osvaldo Serra ganha o Prêmio Walter Borzani


Um dos principais nomes na área de pesquisa e difusão das Terras-Raras no Brasil, o professor Osvaldo Antonio Serra, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) da USP - Ribeirão Preto, é o ganhador da primeira edição do Prêmio Walter Borzani, promovido pelo CRQ-IV. A entrega do certificado e da medalha ocorrerá no dia 13 de setembro, durante cerimônia na sede da entidade, em São Paulo.

Serra dedicou mais de 50, de seus 73 anos de vida, à Química. A paixão pela ciência, segundo suas palavras, se deu quando ainda estava no Colegial, atual Nível Médio. Ingressou na FFCL da USP, quando a instituição ficava na Alameda Glete, no bairro paulistano de Santa Cecília, em 1959, depois de ter sido aprovado em primeiro lugar no vestibular. Fundou e presidiu por duas vezes o Centro de Estudos Heinrich Rhein­boldt, homenagem ao professor alemão que, convidado pelo governo de São Paulo, criou o curso de Ciências Químicas da USP.

O interesse pelas Terras-Raras surgiu quando, ainda estudante, começou a estagiar nos laboratórios da Orquima, indústria química pioneira no processamento de areia monazítica para extração de materiais radioativos. Lá, trabalhou sob a orientação de Pawel Krumholz, importante químico polonês que desen­volveu, no Brasil, diversos processos para separação de elementos das Terras-Raras e produziu trabalhos inovadores sobre carbonilos de metais de transição e complexos polinucleares, segundo relata artigo do professor Eduardo Vichi, da Universidade Estadual de Campinas, publicado em 1983 pela revista Química Nova.

A ida de Serra para o interior se deu em 1969 quando, após defender sua tese sobre trimetafosfatos de elementos lantanídeos, foi convidado pelo professor Waldemar Saffioti a integrar o corpo docente do curso de Química da então FFCL de Araraquara, atual Unesp. Depois, migrou para a USP de Ribeirão Preto.

Ao longo dos anos, Serra obteve quatro patentes relativas às aplicações das Terras-Raras, além de divulgar a importância desses elementos no Brasil, EUA, Europa e Ásia. Também integrou grupos dos ministérios da Ciência e Tecnologia e de Minas e Energia que trataram da prospecção de minerais das Terras-Raras.

Dinâmico, Osvaldo Serra atualmente é sócio da PDT-Pharma, uma indústria que fundou em Cravinhos/SP ao lado de ex-alunos. A empresa produz fármacos e formulações fotossensibilizadoras para o tratamento de degenarações celulares, notadamente o câncer de pele, através da terapia fotodinâmica.

Veja a entrevista concedida por Serra ao Informativo CRQ-IV:

Informativo - Por que o senhor decidiu se candidatar ao prêmio?

Serra - Fui incentivado por alguns ex-alunos e colegas.

Informativo - Qual é a importância dessa conquista?

Serra - É um reconhecimento por mais de 50 anos de exercício profissional como entusiasta da nossa querida Química na academia e, mais recentemente, na indústria.

Informativo - Conheceu o professor Walter Borzani?

Serra - Borzani foi meu professor de Bioquímica Industrial em 1962. A disciplina era oferecida na Escola Politécnica aos alunos do curso de Química da ex-FFCL-USP, que buscavam obter as “Atribuições Tecnológicas” para melhor capacitação na indústria. Seu entusiasmo e conhecimento me impressionaram ao ponto de, recém-formado, quase aceitar uma proposta da Escola Politécnica. Apenas meu grande amor pelas Terras-Raras, as quais conheci em 1961 na ex-ORQUIMA, fez com que optasse pela FFCL.

Informativo - Foi a primeira vez que participou de um concurso promovido pelo CRQ-IV?

Serra - Ainda como aluno de graduação recebi um prêmio do CRQ-IV em 1963, relativo ao trabalho sobre separação de Terras-Raras, que depois foi publicado na revista Tintas e Vernizes, em 1964. O trabalho foi realizado na ex-ORQUIMA entre 1961 e 1962. Também concorri ao Prêmio Fritz Feigl há cerca de 15 anos.





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região