Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
PDQ
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 

Jan/Fev 2015 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Meio Ambiente - Processo recupera terras-raras de lâmpadas fluorescentes


Freeimages

Lâmpadas compactas concentram mais terras-raras

Pesquisa do Laboratório de Terras-Raras do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP), criou um novo processo para recuperar e reciclar terras-raras a partir de lâmpadas fluorescentes descartadas. As terras-raras formam um grupo de 17 elementos químicos essenciais para a produção de lâmpadas, telas de televisores, tablets, smartphones, turbinas de energia eólica etc. “Lantânio, cério, európio, térbio e, em maior quantidade, ítrio são as terras-raras presentes nessas lâmpadas”, explica o professor Osvaldo Serra, coordenador do laboratório.

O processo apresenta uma maneira mais segura, menos poluente e mais eficiente de reciclar as terras-raras contidas nas lâmpadas. Segundo Serra, enquanto os métodos tradicionais se valem de “tratamentos drásticos com ácidos ou bases fortes e temperaturas elevadas, nossa proposta consiste no uso de metodologia mais branda, sem emissão de gases corrosivos e temperaturas menores que 100 °C”.

De acordo com ele, entre os tipos de resíduos reciclados, as lâmpadas fluorescentes ganham destaque por conter até 25% em massa de elementos terras-raras na constituição do pó fosfórico, dependendo do tipo da lâmpada utilizada. As terras-raras presentes nas lâmpadas tubulares e compactas são as mesmas, mas estas últimas possuem um porcentual maior. O volume também varia de acordo com a potência da lâmpada: maior potência, maior quantidade de material fluorescente e, portanto, maior quantidade de terras-raras.

“A viabilidade econômica da recuperação desses elementos químicos é maior nas lâmpadas compactas do que nas tubulares, que são mais antigas e possuem menos terras-raras”, ressalta o pesquisador.

Divulgação/USP

Recuperação é prioridade estratégica, diz Serra

As lâmpadas fluorescentes são coletadas por empresas que realizam a remoção e recuperação do mercúrio metálico, altamente tóxico e nocivo ao meio ambiente. A reciclagem começa a partir do pó fosfórico, livre do mercúrio, submetido a processos físicos e químicos, utilizando resinas de troca iônicas, produtos sintéticos que colocados na água poderão liberar íons sódio ou hidrogênio ou hidroxila e captar, desta mesma água, cátions e ânions.

“Essas resinas de troca iônica tradicionais, do tipo ácido-forte, são facilmente encontradas e podem realizar inúmeros ciclos de extração das terras-raras, garantindo não só a viabilidade técnica como também econômica do processo, que se dá em condições experimentais facilmente escalonáveis a maiores quantidades, adequando-se às necessidades mercadológicas e industriais”, explica Serra.

Ganhador da edição 2013 do Prêmio Walter Borzani, promovido pelo CRQ-IV, Serra diz que são consumidas anualmente no Brasil ao redor de 300 milhões de lâmpadas. A contaminação por mercúrio é o principal risco ambiental nelas embutido. Já as terras-raras existentes nas lâmpadas não são nocivas ao meio ambiente, pois se encontram estabilizadas.

A China responde por 90% da produção mundial de terras-raras e consome 70% desse total. Por conta dessa concentração, o país chegou a aumentar o preço médio da matéria-prima mais de dez vezes nos últimos anos. Por tais razões, afirma o pesquisador, o desenvolvimento e a adoção de tecnologias que possibilitem a extração ou a recuperação de terras-raras de forma adequada tornaram-se uma prioridade estratégica.

Algumas empresas já perceberam a relevância desse mercado e por isso, diz Serra, manifestaram interesse por essa nova tecnologia.





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região