Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 



Matéria Anterior   Próxima Matéria

Polímeros - Fórum no CRQ-IV discutiu diferentes aplicações e avanços tecnológicos


O panorama atual da utilização de polímeros e as perspectivas para o futuro estiveram em pauta no IV Fórum de Ensino Superior da Área Química, realizado dia 20 de outubro pela Comissão de Ensino Superior do CRQ-IV com apoio do Sindicato dos Químicos, Químicos Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São Paulo (Sinquisp). O auditório do Conselho recebeu cerca de 80 pessoas, entre diretores de escolas, coordenadores de cursos, professores e estudantes.

Fotos: CRQ-IV

Lucilene Paiva, do IPT, enfatizou a reciclagem de termoplásticos

Ao fazer a abertura do evento, a Engenheira Química Andrea Mariano, coordenadora das Comissões Técnicas do CRQ-IV, apresentou informações sobre a atuação da entidade e destacou o papel da Comissão de Ensino Superior no desenvolvimento de propostas para currículos de cursos de Bacharelado em Química e em Química Tecnológica, além da criação, em 2013, do Selo de Qualidade para cursos superiores da área química.

O ciclo de palestras foi iniciado pela Bacharel em Química Lucilene Betega de Paiva. Pesquisadora do Núcleo de Biomanufatura do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), ela falou sobre a evolução histórica da utilização de materiais polímeros e plásticos, tendo como alguns dos principais tópicos a classificação, a produção e o consumo de polímeros convencionais.

Deu ênfase aos termoplásticos, que podem ser reciclados várias vezes a partir de processos que utilizam altas temperaturas. “Polímeros biodegradáveis” foi o tema apresentado pelo Engenheiro de Materiais Guilhermino Fechine, professor e pesquisador da Universidade Mackenzie.

Fechine: conciliar progresso com
meio ambiente

Segundo ele, a utilização de polímeros desse tipo se fundamenta na busca por um desenvolvimento sustentável, que concilie progresso econômico com proteção ambiental ao evitar o acúmulo de plásticos descartados incorretamente. Fechine lembrou, no entanto, que “utilizar fontes renováveis por si só não garante um baixo impacto ambiental. Deve-se avaliar o processo de produção, a performance técnica e suas opções de descarte”, referindo-se ao processo de Análise de Ciclo de Vida (ACV).

Na sequência, a pesquisadora Maria Filomena de Andrade Rodrigues, também do IPT, falou sobre produção e degradação de plásticos biodegradáveis de origem bacteriana. Ela apresentou pesquisas desenvolvidas no Instituto com base na biotecnologia, em um trabalho multidisciplinar envolvendo as áreas de Química, Biologia e Engenharia que formam a base estrutural de processos biotecnológicos. De acordo com Maria Filomena, questões ambientais, como a dificuldade de reciclagem de alguns materiais, aumentam a demanda por biopolímeros que possuam características capazes de substituir os plásticos convencionais. Um dos exemplos mostrados foi o plástico biodegradável feito a partir da cana-de-açúcar.

As diversas aplicações de polímeros na atualidade permearam as apresentações feitas durante a segunda parte do Fórum. O ciclo foi aberto por André Luiz Jardini Munhoz, pesquisador sênior do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Biofabricação (Biofabris), instalado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Munhoz descreveu algumas técnicas de fabricação desenvolvidas pelo Biofabris, um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) mantidos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Um dos principais objetivos desse INCT é sintetizar biomateriais que possam ser utilizados no desenvolvimento de próteses e órgãos artificiais para as áreas médica e odontológica.

 

   

Munhoz: feitura de próteses para as áreas médica e odontológica

 

Celulose reduz custos e impacto ambiental, afirma De Paoli

 

Maria Filomena destacou os plásticos de origem bacteriana

 

 

Em seguida, o professor e pesquisador Marco-Aurelio De Paoli, também da Unicamp, falou sobre termoplásticos reforçados com fibras de celulose obtidas a partir de eucaliptos. Trata-se, segundo comparou, de uma alternativa ambientalmente sustentável aos compósitos feitos com fibras de carbono e de vidro. A disponibilidade da celulose (um dos polímeros mais abundantes no planeta, juntamente com a lignina, que pode ser usada como antioxidante) proporciona vantagens como um custo inferior de produção, baixo impacto ambiental, além de menores índices de densidade e abrasividade. Contudo, De Paoli assinalou a existência de desafios tecnológicos a serem superados para que a produção em larga escala se viabilize.

O IV Fórum de Ensino Superior da Área Química foi encerrado com a apresentação da Bacharel em Química Mônica Freire Dias Martins, da empresa Solvay. Discutindo a aplicação de polímeros de alta performance, ela ressaltou a versatilidade dessa categoria de materiais, que pode ser utilizado em setores como o aeroespacial e o automobilístico. Mônica também mostrou vantagens proporcionadas nas áreas médica e farmacêutica, tais como a proteção conferida por embalagens de medicamentos feitas com os denominados “polímeros de alta barreira”.

Cópias das apresentações feitas durante o evento podem ser obtidas gratuitamente na seção Downloads.





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região