Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
PDQ
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 
Notícia - Conselho Regional de Química - IV Região

Notícia 

 


Nobel premia desenvolvimento de baterias de lítio
 

 


O Prêmio Nobel de Química 2019 foi concedido aos pesquisadores John B. Goodenough (Universidade do Texas/EUA), M. Stanley Whittingham (Universidade de Binghamton/EUA) e Akira Yoshino (Universidade Meijo/Japão) por suas contribuições ao desenvolvimento da bateria de íons de lítio, segundo comunicado divulgado hoje. Essa bateria recarregável lançou as bases da eletrônica sem fio, como telefones celulares e laptops. Os dispositivos baseados em lítio também contribuíram para redução do uso de combustíveis fósseis, pois suas aplicações vão desde alimentar carros elétricos até armazenar energia de fontes renováveis.

 

No início dos anos 1970, Whittingham usou o enorme impulso do lítio para liberar seu elétron externo quando desenvolveu a primeira bateria funcional de lítio. Em 1980, Goodenough dobrou o potencial da bateria, criando as condições certas para uma bateria muito mais poderosa e útil. Em 1985, Yoshino conseguiu eliminar o lítio puro da bateria, baseando-o totalmente em íons de lítio. Isso tornou a bateria viável na prática.

 

Nascido em 1922 na cidade de Jena, na Alemanha, Goodenough, aos 97 anos, se tornou a pessoa mais idosa a ganhar um Nobel.

 

O trio vai dividir igualmente o prêmio de 9 milhões de coroas suecas, cerca de R$ 3,7 milhões.

 

Clique aqui para mais detalhes.

 
Com informações da Fundação Nobel
 

Publicado em 09/10/2019



Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região