Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Notícia - Conselho Regional de Química - IV Região

Notícia 

 


Indústria química tem recorde de importações, elevando déficit para US$ 11,2 bi

 

Pixabay

Nos quatro primeiros meses do ano, as importações de produtos químicos movimentaram 17,2 milhões de toneladas, aumento de 17,8% na comparação com iguais meses de 2020. Trata-se de recorde em quantidades adquiridas para o período, tendo sido registrados aumentos importantes em praticamente todos os grupos acompanhados, como em resinas e elastômeros (34,1%), e em produtos químicos orgânicos (18,4%) e inorgânicos (16,1%), todos com significativa fabricação nacional.

Já o volume das exportações, de janeiro a abril, chegou a 5,4 milhões de toneladas, aumento de 7,3% em relação aos quatro primeiros meses de 2020, concentrado fundamentalmente em produtos inorgânicos (grupo que isoladamente representa praticamente 70% de todas as quantidades exportadas pelo Brasil em produtos químicos), em que pese forte queda de 24,1% nas vendas ao exterior de resinas termoplásticas (380 mil toneladas exportadas no período).

O déficit da balança comercial de produtos químicos teve, por sua vez, um expressivo aumento de 24,5% em relação ao mesmo período de 2020 e atingiu US$ 11,2 bilhões nos quatro primeiros meses deste ano, contextualizado pela inédita e extremamente preocupante marca de 46% de participação de mercadorias estrangeiras no consumo aparente nacional, (dados até março, conforme o Relatório de Acompanhamento Conjuntural – RAC da Abiquim). Esse ritmo do crescimento do déficit não foi desestimulado nem pelo aumento dos preços médios dos importados de US$ 785/T, em dezembro de 2020, para US$ 1.066/T, em abril de 2021.

De janeiro a abril de 2021, foram importados mais de US$ 15,3 bilhões e exportados praticamente US$ 4,1 bilhões em produtos químicos, aumentos de 20,3% e de 9,9%. No acumulado dos últimos 12 meses (maio de 2020 a abril de 2021), o déficit é de US$ 32,6 bilhões, maior valor em bases anualizadas em todo o histórico da balança comercial de produtos químicos e que, até o final do ano, poderá superar US$ 33 bilhões.

Para o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino, os resultados da balança comercial em produtos químicos, até abril, evidenciam a urgência de uma agenda estruturante de competitividade e da retomada imediata do Regime Especial da Indústria Química – Reiq. “O Brasil precisa de uma estratégia voltada para o seu desenvolvimento e a retomada sustentada da atividade econômica somente será possível com o fortalecimento da competitividade dos setores que mais contribuem para a garantia do abastecimento interno, da agregação de valor em território nacional e para geração de empregos e renda. Nisso tudo a indústria química possui papel central, pois é a base para diversas outras atividades e, assim, o que acontece com ela impacta consequentemente toda a economia. A manutenção do Reiq, nesse contexto, é condição sine qua non para o próprio posicionamento estratégico do País no cenário internacional”, destaca Marino.

 

Com informações da Abiquim
Publicado em 19/05/2021


Voltar para a relação de notícias

 

 

 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região