Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Estratégias para redução de dióxido de carbono da atmosfera - Conselho Regional de Química - IV Região

Estratégias para redução de dióxido de carbono da atmosfera 

 





 

Um dos maiores desafios do século XXI é encontrar formas de diminuir as emissões de dióxido de carbono, ou CO2, um dos grandes responsáveis pelo efeito estufa, causador das mudanças climáticas no planeta. As soluções passam pela redução da dependência dos combustíveis fósseis, pelo uso mais eficiente da energia e pela redução de seu consumo, além da busca por energia de fontes renováveis. Outra forma de administrar os níveis de dióxido de carbono lançado na atmosfera é por meio de sua captura, ou seja, fazer com que o CO2 seja retido quando ele faz parte dos gases de exaustão industrial [1].

 

Muitos setores industriais no Brasil, atentos ao problema, já vêm reduzindo as emissões dos gases causadores do efeito estufa. A indústria de cimento responde por cerca de 7% de todo o CO2 lançado na atmosfera em todo o mundo, mas no Brasil as fábricas de cimento são responsáveis por 2,3% das emissões totais do país, um terço da média mundial. Esta redução se deve principalmente a três fatores:

 

Wikimedia Commons

- uso de matérias-primas alternativas ao clínquer, principal ingrediente do cimento. Em vez de utilizar os ingredientes usuais, que são calcário e argila, as fábricas produzem o clínquer com escórias siderúrgicas (formadas por argila, silício e alumínio), cinzas de termoelétricas (que contêm silício, alumínio e ferro) e pó de calcário (mineral de carbonato de cálcio) [10];

 

- uso de combustíveis alternativos para alimentar os fornos de altíssima temperatura onde o cimento é preparado, como as biomassas (casca de arroz, caroço de açaí, casca de babaçu), e de resíduos, como pneus inservíveis, plásticos e lixo doméstico não-reciclável, num processo denominado coprocessamento;

 

- medidas de eficiência energética, com o uso de equipamentos de menor consumo térmico e elétrico.

 

Essas medidas reduziram em 18% o volume de carbono emitido pelo setor entre 1990 e 2019 enquanto a produção de cimento cresceu 220%, de acordo com a Associação Brasileira de Cimento Portland. A meta da entidade é reduzir em 33% as emissões de dióxido de carbono até 2050, o que significa deixar de lançar na atmosfera 420 milhões de toneladas de CO2 [2].

 

A queima de pneus usados para geração de energia na produção de cimento retirou da natureza mais de 1 milhão de toneladas de detritos somente em 2014, com aumento de 374% em relação ao ano 2000. Em 2015, as fábricas brasileiras de cimento queimaram em seus fornos 53 milhões de pneus inservíveis que normalmente iriam para lixões ou para o meio ambiente [3]. Atualmente, cerca de 70% dos pneus inservíveis são destruídos através do coprocessamento no país [11].

 

Em nível mundial, as indústrias do cimento, concreto e de agregados da Europa, Estados Unidos, América Latina e Ásia fundaram o Conselho de Sustentabilidade do Concreto para auditar e certificar o fornecimento e o consumo responsável dos insumos necessários a este processo industrial. Em todo o mundo, 400 empresas do setor já têm a certificação ou estão em processo de obtê-la [4].

 

No Brasil, o setor elaborou em 2019 o RoadMap Tecnológico do Cimento, que lista medidas para redução das emissões de carbono até 2050. A captura de carbono faz parte dessas medidas, em processos como a absorção química, que separa o CO2 dos demais gases efluentes e a utilização de membranas, que podem absorver até 80% do CO2. Além desses, outros processos inovadores, como a tecnologia de oxi-combustão, estão em análise [11].

 

A Petrobrás também investe na redução das emissões de CO2 na atmosfera. A empresa desenvolveu um programa de captura, uso e armazenamento geológico de CO2 que permite a produção de petróleo nos campos do pré-sal com baixa emissão de carbono. O gás retirado dos campos do pré-sal contém gás natural e também CO2 em sua composição. A tecnologia denominada Carbon Capture, Utilization and Storage (CCUS) faz a separação do CO2 e do gás natural, e posteriormente reinjeta o CO2 de volta ao reservatório de onde saiu, onde ele fica armazenado. A reinjeção foi a solução encontrada para atender ao compromisso de não lançar na atmosfera o CO2 que está presente no gás natural. A empresa informa que a cada ano aumenta o volume de CO2 reinjetado em seus reservatórios; nos nove primeiros meses de 2021 foram reinjetados 6,7 milhões de toneladas de CO2, o equivalente a quase todo o volume armazenado em 2020 [5].

 

Química responsável

A indústria química brasileira também faz sua parte para conter o efeito estufa. A Associação Brasileira da Indústria Química, Abiquim, mantém desde 1992 o Programa Atuação Responsável, que reúne medidas essenciais ao desenvolvimento sustentável. As tecnologias e inovações sugeridas pelo programa permitiram a diminuição de 30% das emissões de gases de efeito estufa de 2006 a 2020 [8].

 

Ao participar da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima - COP-26 – em 2021, o presidente-executivo da Abiquim, Ciro Marino, relacionou algumas medidas práticas adotadas no Brasil que contribuem para frear o efeito estufa. Ele citou o uso de catalisadores mais eficazes; a captura de carbono e o trabalho de forma complementar, ou seja, as emissões geradas por uma empresa são reaproveitadas como matéria-prima por outra; e o uso de matérias-primas renováveis, como a cana de açúcar, que gera insumos, inclusive para fabricação de plástico [9].

 

Pesquisas

A captura de carbono é o tema de inúmeros estudos em universidades e instituições científicas do Brasil e do mundo. Na Unicamp, um grupo de pesquisadores desenvolveu o cultivo de microalgas e cianobactérias em biorreator capaz de consumir o gás carbônico da atmosfera de forma eficiente, usando fotossíntese oxigênica, para converter CO2 em biomassa. De acordo com o estudo, o CO2 produzido em indústrias como a petrolífera, uma das principais fontes de gás carbônico, poderia ser transformado em biomassa. O emprego de microalgas é uma tecnologia limpa, por não gerar resíduos [6]. Novo estudo do mesmo grupo de pesquisa indicou que a técnica desenvolvida tem uma taxa de fixação de CO2 em biomassa de até 3% [11]. Portanto, alcançar melhores resultados permanece como um grande desafio para a pesquisa nessa área.

 

Outra iniciativa acadêmica é a do departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). No início de 2022, o departamento inaugurou um laboratório que reúne projetos de captura e transformação de dióxido de carbono emitido pela produção de petróleo, usinas térmicas e indústrias. Durante quatro anos os pesquisadores analisarão processos químicos e biológicos, como o que utiliza bactérias coletadas em grandes profundidades na Antártica, em interfaces de rochas e gelo, que têm a capacidade de metabolizar o CO2 sob altas pressões. Outra área de pesquisa é o uso dos chamados solventes eutéticos profundos e de membranas que atuam em nível molecular para reter o dióxido de carbono e outras moléculas de gás [7].

 

 

Artigo produzido pela Assessoria de Comunicação e Marketing do CRQ-IV, sob a 
orientação da professora Vera Constantino, do Instituto de Química da USP.
 





Referências

1. Weller, M; Overton T.; Rourke J.; Armstrong F. Química Inorgânica. 6. ed. Bookman, 2017.
 

2. Indústria cimenteira reduz emissões de Co2. Disponível em https://abcp.org.br/industria-brasileira-faz-a-sua-parte-na-reducao-de-emissoes/. Acesso em 16/12/2021.
 

3. Indústria usa pneu para gerar energia na produção de cimento. Disponível em
https://www.terra.com.br/economia/vida-de-empresario/industria-utiliza-pneus-para-gerar-energia-na-producao-de-cimento,428a3234af5c7e65e94c473242c9b04atrdkxgvx.html. Acesso em 16/12/2021.
 

4. Cimento terá selo de sustentabilidade. Disponível em https://www.cimentoitambe.com.br/massa-cinzenta/cimento-tera-selo-de-sustentabilidade-e-brasil-e-modelo/. Acesso em 16/12/2021.
 

5. Pré-sal: tecnologia da Petrobras evita emissão de gás para atmosfera. Disponível em https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2021-12/pre-sal-tecnologia-da-petrobras-evita-emissao-de-gas-para-atmosfera. Acesso em 04/01/2021.
 

6. Sequestro de carbono torna-se mais eficiente com biorreator. Disponível em http://www.labjor.unicamp.br/midiaciencia/article.php3?id_article=191. Acesso em 17/12/2021
 

7. Novo laboratório da USP quer criar tecnologias para captura de carbono. Disponível em https://jornal.usp.br/universidade/laboratorio-da-usp-investiga-novas-tecnologias-para-captura-e-utilizacao-de-co2/. Acesso em 10/01/2022.
 

8. Abiquim – Programa Atuação Responsável. Disponível em https://www.fabricac.com.br/arquivos/newsletter_seminario_abiquim.pdf. Acesso em 12/01/2022.

 

9. A indústria química brasileira será líder em renováveis, diz Abiquim na COP-26. Disponível em https://householdinnovation.com.br/a-industria-quimica-brasileira-sera-lider-em-renovaveis-diz-abiquim-na-cop-26/. Acesso em 12/01/2022.
 

10. O resíduo que vira cimento. Disponível em https://revistapesquisa.fapesp.br/o-residuo-que-vira-cimento-2/. Acesso em 25/01/2022.

 

11. RoadMap tecnológico do cimento. Disponível em http://snic.org.br/assets/pdf/roadmap/roadmap-tecnologico-do-cimento-brasil.pdf. Acesso em 22/01/2022.

  




Publicado em 03/06/2022
Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região