Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Tintas - Conselho Regional de Química - IV Região

Tintas 

 


A formulação de tintas e vernizes consiste em definir a proporção adequada dos seus constituintes, de modo a obtê-la com as características e as propriedades desejadas. Por isso, o formulador deve ser um Profissional da Química de elevado grau de conhecimento sobre os veículos, solventes, pigmentos e aditivos, bem como sobre a influência de cada um deles no desempenho final do produto.

De acordo com o uso, as tintas podem ser brilhantes ou foscas, transparentes ou opacas, coloridas ou incolores. Também podem apresentar resistência a determinados tipos de agentes agressivos, tais como: água, sol, oxidação pelo ar, ácidos, bases, solventes e gases, entre outros. Para obter o produto desejado, o Químico pode usar na formulação diferentes tipos de: resinas, solventes, pigmentos, corantes, fillers, aditivos, plastificantes, secantes, antimofos e antiespumantes etc.

 

As fases da fabricação são as seguintes:

  • Pesagem das matérias-primas de acordo com a formulação: consiste na formação de pastas do veículo e do pigmento (dispersão), formando a pré-mistura;

  • Moagem: consiste na passagem da pré-mistura em moinhos, em especial moinhos de areia;

  • Completagem: consiste na etapa de adição e ajuste dos constituintes, especialmente solvente, até a proporção desejada;

  • Acertos finais: consistem no acréscimo de aditivos, acertos de cores e outros necessários para definição do produto final.

Para execução destas operações, uma fábrica de tintas é, em geral, constituída de tanques de armazenagem de matérias-primas, tanques de mistura, moinhos para dispersão de pigmentos no veículo, tanques de completagem e ajustes finais, além da unidade de enlatamento e embalagem.

A diferença entre a tinta e o verniz é a pigmentação, presente no primeiro e ausente no segundo. Temos ainda o esmalte, que é transparente como o verniz, mas apresenta coloração. Todos são usados com dois objetivos básicos: proteção e embelezamento. Codificação, sinalização, identificação e propaganda são aplicações secundárias das tintas e principalmente dos vernizes.

Você já se perguntou como a tinta se fixa na parede? A grande responsável é a resina termoplástica, produto obtido a partir do petróleo que compõe as tintas. Quando em contato com a superfície, ela se solidifica, formando uma película que se fixa à parede ou objeto pintado.

Além da formulação, o controle da qualidade de tintas também é feito por profissionais da Química e consiste na execução de ensaios físico-químicos para verificar abrasão (resistência ao atrito), aderência, brilho, viscosidade etc. Não é menos importante a participação desses profissionais no controle de emissões gasosas, tratamento de efluentes líquidos e resíduos sólidos das indústrias de tintas.

Saiba mais:

Abrafati - Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas


Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região