Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Têxtil - Conselho Regional de Química - IV Região

Têxtil 

 


Tecidos são formados pelo entrelaçamento de fios, que podem vir de fibras naturais (seda, algodão), artificiais (viscose, acetato) ou sintéticas (poliéster, poliamida-nylon). Nas indústrias têxteis, o trabalho dos químicos começa no tratamento da água que será empregada na fabricação. Por utilizá-la em grande volume, principalmente nas etapas de acabamento, a maioria das empresas opta por captar água diretamente dos rios e de outras fontes naturais, razão pela qual precisam submetê-la a processos, chamados físico-químicos, para eliminar impurezas.

Mesmo quando a água utilizada é proveniente da rede pública, há necessidade de submetê-la a tratamento para eliminar impurezas e excessos de produtos do tratamento, como o cloro, que podem prejudicar o processo de acabamento do tecido.

Os profissionais da química também atuam na fiação e tecelagem, de modo especial no desenvolvimento das fibras sintéticas. Suas atividades, no entanto, concentram-se na fase de acabamento, quando são usadas enzimas, soda cáustica e uma série de outros produtos e processos químicos.

Dependendo das condições em que os fios saem da tecelagem e do destino que lhes será dado, os profissionais da química desenvolvem tratamentos para que eles adquiram as características desejadas. Um deles é a desengomagem que, como sugere o nome, é usada para eliminar engomantes adicionados aos fios durante o tecimento para aumentar sua resistência. Depois de formado o tecido, no entanto, esses engomantes precisam ser eliminados, uma vez que formam uma camada sobre o tecido que impede a penetração de produtos usados nos banhos para acabamento. A desengomagem é feita com enzimas, num processo no qual a temperatura, o pH e a concentração dos produtos utilizados precisam ser rigorosamente controlados. Daí a importância do acompanhamento constante de um profissional da química

Tal como os engomantes, resíduos que aderem ao tecido durante sua fabricação, tais como poeiras, óleos e graxas, também dificultam os processos de acabamento. Por isso, eles são removidos num processo de limpeza conhecido como purga, que envolve produtos químicos como alvejantes, desengraxantes, detergentes e solventes.

Feitos estes e outros pré-tratamentos que forem necessários, parte-se para o tingimento. Esta é uma etapa que requer acompanhamento constante, quer no controle das matérias-primas utilizadas, tais como alvejantes, amaciantes, pigmentos e resinas, quer no controle dos parâmetros do processo de tingimento em si.

Se além de cor, for necessário aplicar uma estampa ao tecido desenvolve-se uma tinta em forma de pasta, combinando solventes, pigmentos e outros produtos. Essa combinação deve ser feita por um químico, que avaliará quais elementos e em que quantidade devem ser empregados para se obter o efeito desejado.

Outra função importante do profissional da química nas indústrias têxteis é o tratamento dos efluentes gerados no processo produtivo. Para evitar que ocorram danos ao meio ambiente, a água que será descartada passa por análises para controlar, principalmente, o pH, a concentração de pigmentos e a temperatura. De acordo com as conclusões das análises, serão usados processos de clarificação, neutralização e resfriamento, entre outros, de modo que a água a ser eliminada não polua o meio ambiente.

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região