Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Colas e adesivos - Conselho Regional de Química - IV Região

Colas e adesivos 

 


A indústria química desenvolve e produz diferentes tipos de colas (também chamadas de adesivos). Por exemplo, se os objetos que necessitam ser colados são porosos, como a madeira, é possível utilizar uma cola à base de celulose e acetona. Neste caso, o solvente evapora através dos poros, permitindo a secagem e o endurecimento da cola. No entanto, quando se trabalha com superfícies não porosas como chapas metálicas, por exemplo, recorre-se às colas à base de epóxi, que não precisam de evaporação para secarem. Elas possuem um catalisador e uma resina que, combinados, passam facilmente da consistência pastosa para a sólida.

Já para a colagem de vidros triplex, foram desenvolvidas as colas derivadas de celulose e as acrílicas, que são transparentes.

Para que uma substância possa ser usada como cola, deve satisfazer aos seguintes requisitos gerais:

  • Aderir bem às superfícies a serem unidas, quase como se executasse uma “fusão química” sobre os materiais;

  • Completar os seus processos de endurecimento num tempo razoável, sem exigir a aplicação de temperaturas e pressões excessivas;

  • Manter os materiais unidos, mesmo sob esforços mecânicos.

Antes do surgimento da indústria química e das colas sintéticas, o homem já utilizava colas naturais: cera de abelha, resina, borracha e goma-laca (produzida por insetos parasitas que vivem em árvores). Acredita-se que os marceneiros egípicios tenham sido os primeiros a produzir uma cola, a partir de restos de animais, como espinhas de peixe, cascos, chifres, ossos, peles e tendões. As colas vegetais feitas de goma liberada por certas árvores e plantas, as colas à base de látex da borracha e as colas obtidas a partir do amido também possuem origem antiga.

Alguns desses produtos naturais continuam sendo usados, principalmente nas marcenarias, mas as colas sintéticas à base de resinas acrílidas, vinílica,epoxi etc dominam o mercado atual. Têm aplicações em diversos seguimentos industriais, desde celulose e papel até automóveis e aviões.


 
 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região