Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
PDQ
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 

Mai/Jun 2001 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Convênio formará Técnicos


O trabalho de conscientização que o Conselho vem desenvolvendo há vários anos no sentido de mostrar ao empresariado a importância de contarem com profissionais habilitados para o exercício da química rendeu mais um fruto no final de abril. No dia 26 daquele mês, a entidade participou da cerimônia de assinatura de um convênio que possibilitou a criação de um curso para formação de Técnicos em Açúcar e Álcool na cidade de Araçatuba (SP). O curso receberá alunos que trabalham em 20 indústrias sucro-alcooleiras da região, que engloba 75 municípios do Oeste Paulista, responsáveis pela produção anual de 1 bilhão de litros de álcool e de 700 mil toneladas de açúcar por safra.
 
Além das gestões feitas pelo Conselho, o convênio foi possível graças ao forte interesse do prefeito de Araçatuba, Jorge Maluly Netto, do presidente da Associação das Usinas e Destilarias de Álcool do Oeste Paulista (Udop), Luiz Guilherme Zancaner, e do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps), que esteve representado pelo superintendente Marcos Antônio Monteiro e pela chefe de gabinete Laura Laganá. Cabe destacar, ainda, o intenso trabalho do professor Antonio César Salibe, coordenador de cursos do convênio Ufscar/Udop, que teve participação fundamental na formatação da parceria.

Pelo acordo, a prefeitura cedeu duas salas de uma escola local e pessoal administrativo de apoio para a aplicação das aulas teóricas, a Ceetps ficou responsável pela contratação dos professores e programação de estágios, enquanto as empresas integrantes da Udop cederão seus laboratórios para as aulas práticas e fornecerão transporte aos alunos. O curso terá duração de um ano e meio. As aulas da primeira turma, formada por 90 alunos, já começaram. A região, contudo, tem cerca de 800 trabalhadores que precisarão obter a habilitação para se enquadrarem nas exigências do CRQ-IV. Araçatuba já teve um curso semelhante, mas que foi extinto em 1989. O convênio assinado poderá contribuir para que o Ceeteps abra uma escola naquela cidade, o ampliará a oferta de vagas.
 
Antes de simplesmente multar empresas por não terem profissionais habilitados para atividades químicas, o Conselho procura esclarecer os empresários sobre as exigências da legislação e, mais do que isso, mostrar-lhes que a aplicação de recursos na formação ou contratação de técnicos especializados é um investimento que fortalece a empresa na disputa por mercados, afirmou Manlio de Augustinis, diretor executivo do CRQ-IV, que participou da solenidade de assinatura do convênio.
 
Gessy

Também como resultado de um convênio estimulado pelo CRQ-IV, cerca de 50 trabalhadores da unidade fabricante de detergentes em pó da Gessy Lever, em Indaiatuba (SP), receberam certificados de conclusão do curso Técnico em Química. A cerimônia de formatura aconteceu dia cinco de abril, no auditório do Centro de Educação Profissional daquela cidade, e contou com as presenças do prefeito Reinaldo Nogueira Lopes Cruz, autoridades locais, e das funcionárias Adriana Chaves (gerente de RH) e Angela Cristina Pinhati (gerente de processos e sulforação), da Gessy.
 
Depois de alertada pelo Conselho sobre a existência de funcionários sem habilitação atuando em atividade privativa de profissionais da química, a empresa entendeu a necessidade de manter-se dentro das exigências legais. Procurou então a Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura (FIEC) e com ela firmou convênio. Divididos em duas turmas, os funcionários iniciaram as aulas em agosto de 99. Além de garantir transporte aos estudantes e ceder seus laboratórios para aulas práticas, a Gessy também arcou com o pagamento das mensalidades, num investimento ao redor de R$ 200 mil.
 
O CRQ-IV cumprimenta a Gessy Lever e acredita que seu exemplo já vem servindo de estímulo para que outras empresas também apostem na capacitação de seus funcionários.




Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região