Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 

Jul/Ago/2021 

 


Relação de Matérias   Próxima Matéria

Confirmada a extinção do Reiq


Aumento de tributos será feito gradualmente

Pixabay

No dia 15 de julho foi publicada no Diário Oficial da União a Lei nº 14.183, que sancionou a revogação gradual da tributação especial relativa à nafta e a outros produtos destinados a centrais petroquímicas, entre outras providências.

A lei se originou da Medida Provisória 1.034, de 1º de março de 2021, editada com o objetivo de apresentar fonte de compensação pela redução da isenção de PIS/COFINS para o óleo diesel, por dois meses, e para o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) por período indeterminado. Como  solução, o texto apresentado pelo governo federal para a apreciação do Congresso Nacional previa a extinção total do Regime Especial da Indústria Química (Reiq) já em 2021. Todavia, após intenso processo de negociação que envolveu Câmara dos Deputados, Senado Federal e o Poder Executivo, a versão final da lei manteve o conteúdo aprovado pelos parlamentares, prevendo um regime de transição, com a redução gradativa dos benefícios, por um período de quatro anos.

Ao lado de representantes da indústria e da Frente Parlamentar da Química, o Sistema CFQ/CRQs fez forte campanha nas redes sociais pela manutenção do Reiq, além de ter participado de um encontro virtual promovido pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro. O principal temor era que se confirmasse a possibilidade de extinção de milhares de empregos, segundo vinha afirmando a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), para que o setor pudesse se adaptar ao novo regime tributário.

O texto sancionado prevê que as alíquotas atuais de PIS (1%) e Cofins (4,6%) continuariam iguais em junho. De julho a dezembro, ficarão em 1,13% e 5,2% respectivamente. Para 2022, elas serão de 1,26% para o PIS e de 5,8% para a Cofins, subindo, em 2023, para 1,39% e 6,4%. Em 2024, o PIS será de 1,52% e a Cofins de 7%. A partir de 2025, as alíquotas voltam aos patamares normais: 1,65% e 7,6%. Um regulamento fixará como poderão ser compensados com outros tributos os créditos obtidos por meio do regime especial até 2024.

“Nosso próximo passo é aprofundar as conversas com o Estado para definição de uma estratégia para o setor, já que a indústria química tem ciclos longos e, cada investimento, desenvolvimento, montagem de fábrica, retorno de capital, entre outras demandas, tende a caminhar por governos diferentes – por duas ou três gestões”, destacou o presidente executivo da Abiquim, Ciro Marino.

A Abiquim não divulgou o impacto que a medida terá nas atividades do setor, inclusive quanto ao nível de emprego. A entidade havia estimado que a extinção imediata do Reiq poderia levar a perda de até 85 mil postos de trabalho.

 





 





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região