Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 

Mai/Jun/2021 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Bioquímica - Pesquisadores descobrem droga que bloqueia a Covid-19 e variantes


Testes foram realizados em camundongos por grupo da Universidade da Pensilvânia

 

Divulgação

 
 

As células epiteliais pulmonares infectadas com SARS-CoV-2 (esquerda, amarelas) foram tratadas com sucesso com o agonista STING diABZI (direita) por pesquisadores da Penn Medicine.

A droga diABZI – que ativa a resposta imune inata do corpo – foi altamente eficaz na prevenção de Covid-19 grave em camundongos infectados com SARSCoV-2, de acordo com cientistas da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia. As descobertas, publicadas em maio na Science Immunology, sugerem que o diABZI também pode tratar outros coronavírus respiratórios.

“Poucos medicamentos foram identificados como revolucionários no bloqueio da infecção por SARS-CoV-2. Este artigo é o primeiro a mostrar que ativar uma resposta imune precoce terapeuticamente com uma única dose é uma estratégia promissora para controlar o vírus, incluindo a variante sul-africana”, disse a Química Sara Cherry, principal autora do artigo. Professora de Patologia e Medicina Laboratorial, Cherry é diretora científica do High-Throughput Screening Core na Penn Medicine.

O vírus SARS-CoV-2 atinge inicialmente as células epiteliais do trato respiratório. Como primeira linha de defesa contra a infecção, o sistema imunológico inato do trato respiratório reconhece os patógenos virais, detectando seus padrões moleculares. A equipe liderada por Cherry descobriu que o vírus é capaz de se esconder, atrasando o reconhecimento e a resposta precoce do sistema imunológico. Os pesquisadores avaliaram que seria possível identificar drogas – ou pequenas moléculas – que poderiam desencadear essa resposta imunológica e prevenir infecções.

Para identificar os agonistas antivirais que bloqueariam a infecção, eles realizaram uma triagem de alto rendimento de 75 drogas e identificaram nove candidatos – incluindo dois dinucleotídeos cíclicos (CDNs) – que suprimiram significativamente a infecção pela ativação de STING (a simulação de genes de interferon).

Como os CDNs têm baixa potência e são medicamentos de baixa qualidade, de acordo com Cherry, a equipe decidiu testar um agonista de STING de uma pequena molécula recém-desenvolvida chamada diABZI. Ela ainda não foi aprovada pela Food and Drug Administration, mas já está sendo testada no tratamento de alguns tipos de câncer. Os pesquisadores descobriram que o diABZI inibe potentemente a infecção por SARS-CoV-2 de diversas cepas ao estimular a sinalização do interferon.

Por fim, a eficácia do diABZI foi testada em camundongos transgênicos infectados com SARS-CoV-2. Como a droga precisava atingir os pulmões, o diABZI foi administrado por via nasal. Os camundongos tratados com diABZI mostraram muito menos perda de peso do que os camundongos de controle, reduziram significativamente as cargas virais em seus pulmões e narinas e aumentaram a produção de citocinas.

As descobertas são um sinal de que o diABZI pode ser um tratamento eficaz para a SARS-CoV-2, prevenindo sintomas graves do Covid-19 e a disseminação da infecção. Além disso, uma vez que o diABZI demonstrou inibir a replicação do vírus para influenza humana e do rinovírus em células em cultura, o agonista de STING pode ser mais amplamente eficaz contra outros vírus respiratórios.

Clique aqui para ler mais detalhes.


Com informações de Lauren Ingeno,
da Escola de Medicina Perelman, Univ. Pensilvânia (EUA)

 

 





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região