Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 

Mai/Jun/2021 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Covid-19 - Governo assina acordo com Oxford para que Fiocruz produza IFA no Brasil


Fabio Pozzebom/Ag. Brasil

 

Queiroga e Bolsonaro participaram de assinatura do acordo. Ministro da Saúde previu vacinar toda a população até o final deste ano

Vinculada à União, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou no dia 1º de junho o contrato de transferência de tecnologia com a AstraZeneca para que a produção da vacina contra a Covid-19 seja feita totalmente no País. A cerimônia ocorreu na sede do Ministério da Saúde, em Brasília, e contou com as presenças do titular da pasta, Marcelo Queiroga, e com o Presidente Jair Bolsonaro.

O contrato formalizou o processo já iniciado de compartilhamento de inovações pela AstraZeneca em consórcio com a Universidade de Oxford (Inglaterra) com a Fiocruz.

No ano passado, o governo assinou um contrato preliminar de encomenda tecnológica que fixou parâmetros para a aquisição de doses da vacina e para a transferência de tecnologia à Fundação, que passou a atuar como uma parceira no consórcio.

O 1º lote de doses da Oxford/AstraZeneca foi importado. Em seguida, a Fiocruz passou a fazer o envase e finalização do processo a partir do recebimento dos Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFAs) vindos do exterior.

De acordo com a fundação, a estrutura de fabricação já recebeu certificado de boas práticas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A fase seguinte é o treinamento e preparação do IFA a ser produzido no Brasil, o que deve ocorrer neste mês.

SEGURANÇA – Esses insumos elaborados no Brasil passarão por testes junto a AstraZeneca para aferir se eles garantem a qualidade, segurança e eficácia necessárias da fórmula original do imunizante.

Em seguida, será preciso submeter a documentação sobre o novo processo produtivo à Anvisa para que a agência federal brasileira autorize a alteração no registro da vacina já obtido, que conta com as informações dos IFAs fabricados no exterior.

A previsão da Fiocruz é que a fabricação das primeiras vacinas totalmente nacionais ocorra a partir de outubro.

AVANÇO DA VACINAÇÃO – Durante a cerimônia, o ministro Marcelo Queiroga informou que até o momento foram entregues pela parceria entre Fiocruz e Oxford/ AstraZeneca 47 milhões de doses.

Pelo contrato, seriam disponibilizadas mais 50 milhões de doses. “Com o avanço da vacinação, demos início à imunização dos professores. Diante da ameaça de novas variantes, começamos a vacinação nos portos e aeroportos. Com mais de 600 milhões de doses encomendadas, nosso objetivo é oferecer até o fim do ano vacinação para toda a população do País”, disse Queiroga.

Conforme o painel de vacinação do Ministério da Saúde, ainda estão previstas 20,9 milhões de doses em junho, 36,9 milhões para o 3º trimestre e 110 milhões de doses para o 4º trimestre do ano, totalizando 210,4 milhões de doses contratadas de diferentes laboratórios.

 

Com informações da Agência Brasil

  

 





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região