Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 

Mai/Jun 2020 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Financiamento - Linha de crédito ajudará empresas a enfrentar recuo causado pela Covid-19


Auxílio especial destina-se a MEIs, Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Pixabay

 

Foi sancionada a Lei nº 13.999/20, que instituiu o Pronampe – Programa Nacional de Apoio às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Microempreendedores Individuais (MEIs), para o desenvolvimento e o fortalecimento dos pequenos negócios durante a pandemia de Covid-19. Até o fechamento desta edição, o Tesouro havia liberado R$ 15,9 bilhões que serão usados como garantia para os empréstimos feitos pelos bancos.

As instituições financeiras participantes poderão formalizar operações de crédito em até três meses após a entrada em vigor da lei, prorrogáveis por mais três meses.

A taxa de juros anual máxima será igual à taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), atualmente em 3% ao ano, acrescida de 1,25 ponto percentual ao ano sobre o valor concedido, com prazo de 36 meses para o pagamento.

A linha de crédito corresponderá a até 30% da receita bruta anual calculada com base no exercício de 2019, salvo no caso das empresas que tenham menos de um ano de funcionamento. Nesta hipótese, o limite do empréstimo corresponderá a até 50% do seu capital social ou a até 30% da média de seu faturamento mensal apurado desde o início de suas atividades, o que for mais vantajoso.

A lei estabelece que os financiamentos concedidos deverão ser utilizados para investimentos e capital de giro isolado ou associado ao investimento. Isso significa que as empresas poderão usar os recursos para adquirir máquinas e equipamentos, realizar reformas e/ou pagar despesas com salários, contas de água, luz, aluguel, compra de matérias-primas, mercadorias etc. É proibido o uso do dinheiro para distribuição de lucros e dividendos entre os sócios do negócio.

A lei foi sancionada com vetos do dispositivo que estabelecia uma carência de oito meses para o pagamento dos empréstimos e do item que previa a prorrogação por até 180 dias para o pagamento de parcelamentos de débitos que as empresas possam ter junto à Receita Federal e/ou Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Clique aqui para ver mais detalhes sobre o programa de apoio a essas empresas no site do Sebrae.

 

Atualização - Segundo noticiou o jornal O Estado de S. Paulo, "os grandes bancos brasileiros decidiram aderir ao programa do governo Bolsonaro para socorrer micro e pequenas empresas na crise, o que pode ajudar a fazer esse dinheiro chegar à ponta. Itaú Unibanco e Caixa Econômica Federal oficializaram a participação, conforme antecipou o Estadão/Broadcast na semana passada, enquanto Bradesco e Banco do Brasil também decidiram apoiar a linha.

 

Atualizado em 17/06/2020
 





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região