Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
PDQ
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 

Mai/Jun 2018 

 


Matéria Anterior   Próxima Matéria

Responsabilidade Social - Programa explica a estudantes importância da proteção solar


Fotos: Divulgação

Jogo da memória com o tema “proteção solar” promovido para as crianças da Associação de Assistência Social São João Vianney, de Campinas

Criado no início de 2017, o programa Sol, Nosso Amigo visa aumentar o nível de conhecimento da população, especialmente de crianças e adolescentes entre 5 e 14 anos, sobre os perigos da exposição excessiva à luz solar. A iniciativa, que já promoveu quatro workshops com palestras, atividades e experiências educativas envolvendo cerca de 400 crianças e 200 adultos, é mantida pela Croda, multinacional inglesa fabricante de insumos especiais para diversas indústrias da área química, como a cosmética e a farmacêutica. No Brasil, a empresa possui uma filial instalada em Campinas.

 

Conduzido por um grupo de dez profissionais, o programa é uma das ações de responsabilidade social corporativa mantidas pela empresa. Uma das integrantes da equipe é a Química Industrial Mirella Gomes, que atua na empresa como cientista-líder de Aplicação.

 

Entrevistada pelo Informativo, a profissional explica que o principal objetivo do programa é oferecer uma educação continuada sobre proteção solar, no intuito de contribuir para minimizar o índice de pessoas com câncer de pele, aproveitando o Sol de forma saudável.

 

O foco em crianças e adolescentes visa aproveitar o potencial desse público para multiplicar o conhecimento sobre prevenção aos danos causados pelo Sol, passando as informações a familiares e amigos. “No entanto, queremos fazer novas parcerias com dermatologistas, alunos de universidades e indústrias, permitindo levar o conhecimento sobre proteção solar a um público com diferentes faixas etárias e em diferentes regiões”, explica Mirella. O público universitário é a próxima meta, já que workshops serão promovidos neste ano em instituições de ensino superior.

 

A Química Industrial Mirella Gomes integra o time

Em termos de resultados obtidos, o programa recebeu informações dos pais das crianças que participaram dos workshops que confirmaram a mudança de hábitos, como a preferência por atividades de lazer na sombra, além do uso de bonés e protetores solares na faixa de maior incidência de radiação ultravioleta (das 10h às 16h). Com a disseminação de conhecimento, os pais passaram a frequentar dermatologistas e a também usar filtros solares.

 

Além de continuar a promover workshops na sede da empresa e em centros comunitários de Campinas, o Sol, Nosso Amigo deverá ser expandido para outros públicos por meio de oficinas de treinamento para professores da rede pública de ensino e parcerias a serem feitas com indústrias instaladas em outras cidades e estados.

 

PANORAMA – De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), o câncer de pele é o mais frequente no Brasil, respondendo por 30% de todos os tumores malignos registrados. A exposição excessiva e sem proteção ao Sol é a principal causa e o câncer pode se manifestar como uma pinta ou mancha, geralmente acastanhada ou enegrecida, como uma pápula ou nódulo avermelhado, cor da pele e perolado (brilhoso) ou como uma ferida que não cicatriza.

 

Se for detectada precocemente, a doença possui mais de 90% de chances de cura. É mais comum em pessoas com mais de 40 anos, sendo relativamente raro em crianças e negros, com exceção daqueles já portadores de doenças cutâneas anteriores. Pessoas de pele clara ou com doenças cutâneas prévias são as principais vítimas.

 

Entre os tumores de pele, o tipo não melanoma é o de maior incidência. A estimativa do Inca é de que 165.580 casos deverão ser registrados em 2018, sendo 85.170 homens e 80.410 mulheres. Como a pele – maior órgão do corpo humano – é heterogênea, o câncer de pele não-melanoma pode apresentar tumores de diferentes linhagens. Os mais frequentes são o carcinoma basocelular e o carcinoma epidermoide. O primeiro, apesar de mais incidente, é também o menos agressivo.

 

Já o melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos. Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil, o melanoma representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser o mais grave devido à sua alta possibilidade de metástase. A estimativa de novos casos para 2018 aponta 6.260 registros (3.340 mulheres e 2.920 homens).





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região