Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 



Matéria Anterior   Próxima Matéria

Tintas - Setor prevê dificuldades até 2017


CRQ-IV
Antonio Carlos Lacerda, presidente do Conselho da Abrafati
Um cenário permeado por incertezas, com perspectiva de melhora somente a partir de 2017. Este foi o prognóstico apresentado por oradores do 10º Fórum Abrafati da Indústria de Tintas, ocorrido dia 26 de agosto, em São Paulo. Com a presença de 120 líderes empresariais, o evento precedeu a 14ª edição da exposição internacional e congresso da Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati), realizada de 13 a 15 de outubro.

Antonio Carlos Lacerda, presidente do Conselho Diretivo da Abrafati, afirmou que o nível de emprego tende a ser cada vez mais afetado pela queda na demanda em alguns segmentos, como o automotivo, que neste ano pode ter uma diminuição de 19% no volume de produção.

Tal previsão é confirmada por dados apurados pelo Sindicato da Indústria de Tintas e Vernizes do Estado de São Paulo (Sitivesp): o nível de emprego do setor, em queda desde abril, fechou o mês de julho com retração de 2,73% em relação ao mesmo mês de 2014. Em comparação à data-base da pesquisa (novembro de 2014), a redução foi de 2,97% nas 22 empresas pesquisadas, significando o corte de 282 postos de trabalho.

Ao analisar as perspectivas para o mercado, Lacerda, que também é vice-presidente sênior da Basf para a América do Sul, previu queda de 4% nas vendas neste ano e um leve crescimento, que não chegará a 1%, em 2016. Porém, ele acredita que existem alternativas para as empresas. “O cenário apresenta muitos desafios. Por outro lado, há diversas oportunidades para investimentos em novas tecnologias e produtos que priorizem a sustentabilidade”, frisou.

Um dos palestrantes do encontro foi o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, que previu uma piora na economia antes de uma recuperação. “Estamos em uma fase de transição. A tendência é de que a recessão vire estagnação. Até 2018, não haverá crescimento relevante”, apontou ele, que defendeu a execução de reformas, como a tributária.

O evento também contou com palestras de Eduardo Zaidan, do Sindicato da Indústria da Construção Civil; Claudio Conz, da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção; Douver Gomes Martinho (Universo Tintas e Vernizes), Jaime Dal Farra (Resicolor) e João Roberto de Moura Benites (Valspar).

Ajuste fiscal prejudicará indústria química

A decisão do governo de cortar pela metade o benefício concedido à indústria química, a partir da incidência menor de PIS/Cofins, afetará a competitividade setor em relação à concorrência externa e deverá provocar aumento de preços. O diagnóstico foi feito pelo presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo, logo após o governo anunciar uma série de medidas visando aumentar a arrecadação de impostos para cobrir déficit fiscal de R$ 30,5 bilhões previsto no orçamento de 2016. "Infelizmente, mais uma vez atacamos gravemente a competitividade da indústria brasileira de modo geral e, em especial, da indústria química", lamentou Figueiredo.

No dia 21 de setembro, a Abiquim e a Abrafati participaram do lançamento da campanha “Não vou pagar o pato” (http://bit.ly/1OpEQpH). Liderada pela Fiesp, a iniciativa protesta contra o aumento de impostos e a volta da CPMF.








Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região