Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 
Notícia - Conselho Regional de Química - IV Região

Notícia 

 


Nobel de Química vai para descobridores da criomicroscopia


Uma revolução no campo da Bioquímica. Assim a Real Academia Sueca de Ciências define o conjunto das pesquisas feitas pelos laureados com o Prêmio Nobel de Química 2017: o suíço Jacques Dubochet, o alemão Joachim Frank e o escocês Richard Henderson desenvolveram a criomicroscopia eletrônica, que possibilitou uma melhora significativa do imageamento de biomoléculas. O total a ser dividido entre os três contemplados será de 9 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 1,1 milhão (ou R$ 3,5 milhões, na cotação atual).

A técnica consiste na utilização de baixas temperaturas para congelar biomoléculas em pleno movimento e, dessa forma, gerar condições ideais para a observação de processos bioquímicos. Iniciados na década de 1980, os estudos viabilizaram o aperfeiçoamento das imagens até que a resolução atômica desejada fosse atingida em 2013. As estruturas tridimensionais produzidas permitiram, entre outros avanços, o entendimento do vírus da zika, possibilitando pesquisas sobre fármacos que possam combater a doença.


The Royal Swedish Academy of Sciences

Criomicroscopia gera imagens que permitem análises mais precisas de estruturas biomoleculares:
(a) Proteína que regula os ritmos circadianos, responsáveis pelo "relógio biológico" do corpo humano; (b) sensor que permite a audição por fazer a leitura das mudanças de pressão no ouvido; (c) estruturas da superfície do vírus da zika (clique para ampliar)


No estado líquido, a água tende a evaporar no vácuo dos microscópios eletrônicos, o que leva as biomoléculas ao colapso. Para resolver esse problema, Jacques Dubochet conseguiu, no início dos anos 1980, vitrificar a água, esfriando-a rapidamente para solidificá-la em torno de uma amostra biológica, sem os cristais de gelo que interferem no feixe de elétrons do microscópio, o que preservou as formas naturais das biomoléculas mesmo no vácuo. Nascido em 1942 em Aigle, na Suíça, ele é professor honorário na Universidade de Lausanne.

Joachim Frank, nascido na cidade de Siegen (Alemanha) no ano de 1940, viabilizou a aplicação da técnica de forma ampla. De 1975 a 1986, desenvolveu um método por meio do qual imagens bidimensionais borradas são analisadas e mescladas para revelar estruturas tridimensionais em uma definição de melhor qualidade. Atualmente, ele é professor na Universidade Columbia (EUA).

Natural de Edimburgo (Escócia), onde nasceu em 1945, Richard Henderson é coordenador do Laboratório de Biologia Molecular da Universidade de Cambridge (Inglaterra). Em 1990, ele conseguiu usar a microscopia eletrônica para gerar a imagem tridimensional de uma proteína em resolução atômica. Até então, acreditava-se que poderiam ser feitas imagens apenas de matéria inerte, pois os feixes de elétrons dos microscópios destroem os materiais biológicos. De acordo com a nota oficial da Academia Sueca sobre o Nobel de Química, o avanço proporcionado pelos estudos de Henderson constituiu-se em uma prova definitiva do potencial da técnica.


Martin Hogböm/The Royal Swedish Academy of Sciences

A enzima glutamato desidrogenase em duas imagens que mostram a evolução da técnica de criomicroscopia: à esquerda, na resolução atômica que era obtida antes de 2013 e à direita, quando a resolução de 1,8 ângstron, considerada ideal, foi atingida (clique para ampliar)


Mais informações sobre os laureados e seus trabalhos podem ser obtidas no site do Prêmio Nobel (em inglês).



Publicado em 04/10/2017

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região