Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 
Notícia - Conselho Regional de Química - IV Região

Notícia 

 


III Fórum de Ensino Superior debate avanços na identificação de substâncias


Marcelo Oliveira, Francisco Comninos (mediador), Henrique Eisi Toma e Jonas Gruber durante mesa-redonda


Com o objetivo de apresentar novas técnicas instrumentais disponíveis para a identificação de moléculas e substâncias e demonstrar as possibilidades de suas aplicações, o CRQ-IV promoveu na última sexta-feira (21) a terceira edição do Fórum de Ensino Superior da Área Química. Organizado pela Comissão de Ensino Superior da entidade, o evento teve o apoio do Sindicato dos Químicos, Químicos Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São Paulo (Sinquisp). O público foi formado por cerca de 80 pessoas, entre representantes e coordenadores de cursos, docentes e alunos de graduação e pós-graduação.

Andréia é pesquisadora na Unicamp
A abertura foi realizada pela Engenheira Química Andrea de Batista Mariano, coordenadora das Comissões Técnicas do Conselho. Em sua apresentação, ela informou que a entidade possui em seu cadastro 470 instituições de ensino, que oferecem um total de 749 cursos, dos quais 378 (50,5%) são de Nível Superior e 371 (49,5%) de Nível Médio. Além disso, destacou diversas iniciativas mantidas pelo CRQ-IV, como o Programa Selo de Qualidade, criado em 2007 para cursos técnicos e que, desde 2013, também visa certificar cursos superiores (exceto os de Licenciatura). Segundo a coordenadora, a primeira instituição de Ensino Superior a ter um curso contemplado poderá ser anunciada ainda neste ano.  

O primeiro bloco do Fórum foi dedicado a inovações tecnológicas no desenvolvimento de equipamentos e sistema de detecção. Análises químicas por espectrometria de massas foram objetos da palestra inicial, ministrada por Andréia de Melo Porcari, pesquisadora no Laboratório ThoMSon, do Instituto de Química da Unicamp. Entre as técnicas atualmente utilizadas, ela destacou a que foi desenvolvida pela pesquisadora Livia Eberlin para a identificação de marcadores químicos (moléculas) de tumores, trabalho que foi premiado nos EUA em 2014. Para Andréia, "a espectrometria de massas vem ganhando cada vez mais destaque em análises clínicas, tornando possível o entendimento de processos biológicos complexos".  

Ivo: miniaturas oferecem vantagens 
Dispositivos miniaturizados para análises foi o tema da segunda palestra, conduzida pelo professor Ivo Milton Raimundo Júnior, do Departamento de Química Analítica do IQ-Unicamp, que atua em pesquisas com análise em fluxo, sensores ópticos e microfabricação de sistemas analíticos. Alinhada com os princípios da Química Verde, a miniaturização oferece várias vantagens, de acordo com o pesquisador: maior portabilidade, menos consumo de energia, redução de custo por análise, maior rapidez, simplificação dos sistemas, com eletrônica integrada e minimamente invasivos, além de reduzido consumo de amostras e reagentes. "Sistemas miniaturizados trazem novos horizontes para as Ciências Analíticas e áreas diretamente dependentes pela mudança de paradigma, mudando o foco da amostragem para o sensoriamento", salientou.

Uma mesa-redonda com os palestrantes, mediada por Patrícia Sartorelli, integrante da Comissão de Ensino Superior do CRQ-IV e docente da Universidade Federal de São Paulo, encerrou a primeira parte do evento.   

Segundo bloco - Três docentes e pesquisadores da USP (dois do Instituto de Química de São Paulo e um do campus de Ribeirão Preto) apresentaram os temas da segunda parte da programação, que teve como foco o desenvolvimento de novos processos e aplicações. A utilização de narizes eletrônicos feitos a partir de materiais poliméricos foi o assunto da palestra de Jonas Gruber, que chamou a atenção para o crescente avanço desses dispositivos como substitutos da mão de obra humana, por exemplo, na osmologia (estudo dos odores e aromas) praticada na indústria automobilística. 

A nanotecnologia aplicada à detecção e identificação de compostos foi abordada por Henrique Eisi Toma. Ganhador do Prêmio Fritz Feigl em 2001, o professor falou sobre conceitos abordados nos livros de sua autoria Nanotecnologia Molecular - Materiais e Dispositivos, sexto volume da "Coleção de Química Conceitual", e Nanotecnologia Experimental, ambos publicados pela Editora Blucher. A versatilidade da nanotecnologia, que proporciona avanços nas áreas cosmética, eletrônica, esportiva e médica, entre outras, foi enfatizada por Toma.  

 Rafaela e Mariana estudam Química na Unimep
A Química Forense, que reúne métodos aplicados na resolução de casos judiciais, foi a base da última palestra do Fórum, conduzida por Marcelo Firmino de Oliveira, da USP de Ribeirão Preto, que detalhou as possibilidades de atuação no segmento como pesquisador, policial cientista, assessor técnico autônomo ou perito judicial. "A área forense possui uma alta demanda por profissionais, o que a torna atrativa", apontou Oliveira.

Assim como no primeiro bloco, foi promovida uma mesa-redonda com as palestrantes, que foi mediada por Francisco Comninos, integrante da Comissão de Ensino Superior do CRQ-IV.

Carreira - Estudantes do 3º ano do Bacharelado em Química na Universidade Metodista de Piracicaba (campus de Santa Bárbara d'Oeste), Mariana Gonçalves e Rafaela Argentini aproveitaram para obter mais conhecimentos sobre possibilidades de atuação na área. "Os assuntos foram propostos de forma clara e objetiva pelos palestrantes", elogiou Mariana, que se interessa por Química Forense. Já Rafaela citou como um dos pontos positivos a aproximação entre academia e mercado proporcionada por eventos como o Fórum. "Para nós, que ainda estamos na graduação, esse contato com profissionais ajuda na escolha por uma especialização no futuro", apontou.     

Clique aqui para baixar as apresentações que tiveram a liberação autorizada por palestrantes.

Clique aqui para acessar a galeria de fotos do evento, publicada na página do CRQ-IV no Facebook.




Publicado em 24/10/2016
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região