Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 



Relação de Matérias   Próxima Matéria

Editorial - Polêmica sem fim


Sete meses após ter sido praticamente descartada pelo Instituto do Câncer de S. Paulo (Icesp) como uma alternativa ao tratamento da doença, a fosfoetanolamina volta ao noticiário. Em outubro, a Assembleia Legislativa paulista decidiu instaurar uma CPI para investigar as razões daquela decisão. O ponto de partida para o processo foram as alegações – feitas por integrantes do grupo que sintetizou o composto –, de que houve falhas nos testes conduzidos pelo Icesp.


Por sua vez, o governo federal anunciou a retomada dos testes com a substância. Agora, a chamada “pílula do câncer” terá avaliada sua farmacocinética, estudo que será feito na Universidade Federal do Ceará.

Em outra frente, o Instituto Viva Fosfo, que reúne apoiadores da liberação da substância como medicamento, informou que a entidade teve seu estatuto alterado, o que lhe permitirá atuar como um centro de pesquisa. Essa mudança o credenciaria a receber investimentos para agilizar o cumprimento dos protocolos legais que poderão comprovar a eficácia do produto.

Enquanto grande parte dos especialistas segue cética em relação à eficácia da fosfoetanolamina sintética, o composto, convertido em suplemento alimentar, continua sendo fabricado nos Estados Unidos e trazido para o Brasil por meio de importação direta.

O mercado parece promissor, pois novas marcas estão sendo lançadas. A mais nova é a “Phosphoethanolamine+Plus” que, segundo sua distribuidora, é produzida por uma indústria brasileira. Consultada, essa empresa confirmou o desenvolvimento da fórmula, mas disse que a produção é feita nos EUA, onde o produto é vendido.

Confira mais detalhes deste e de outros assuntos abordados nesta última edição de 2017 do Informativo.


Boas festas!



Produtos Perigosos - ONU publica revisão do Orange Book

Está disponível para download a versão eletrônica da 20ª revisão do Recommendations on the Transport of Dangerous Goods. Também conhecido como Orange Book, o regulamento faz parte do esforço da Organização das Nações Unidas (ONU) para harmonizar o transporte de produtos perigosos como meio para garantir a proteção da saúde, do meio ambiente e facilitar o comércio mundial.

A revisão propõe, dentre outras alterações, novas e atualizadas instruções relativas a artigos que contenham substâncias perigosas; classificação de fertilizantes a base de nitrato de amônio; classificação de misturas corrosivas; unidades de transporte de carga contendo baterias de lítio; instruções de embalagem para baterias de lítio defeituosas ou danificadas; relatórios de teste para baterias de lítio; transporte de substâncias instáveis sob controle de temperatura; transporte de veículos alimentados por líquidos ou gases inflamáveis e células de combustível ou baterias.

A versão impressa da 20ª revisão do Orange Book está disponível para compra. Já a versão eletrônica, em inglês, se encontra disponível para download gratuito.





Relação de Matérias                                                                 Edições Anteriores

 

Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região